quarta-feira, 28 de novembro de 2012

A HISTÓRIA NÃO PERDOA




Você sabe quem foi Rui Barbosa? É possível que sim. Agora, você sabe quem foi José Gomes Pinheiro Machado? Se você não for um exímio conhecedor da história do Brasil é possível que não saiba. Mas, para satisfazer a sua curiosidade, colocarei abaixo alguns dados da história[1] desse brasileiro e ao final explicarei o porquê fiz essa narração toda.

Logo depois da proclamação da república brasileira (1889), José Gomes Pinheiro Machado foi eleito senador, participando a seguir da constituinte (1890/1891), na cidade do Rio de Janeiro. Com a eclosão da Revolução Federalista (1893-1895) no seu estado natal (Rio Grande do Sul), em 1893, deixou a sua cadeira no Senado, para combater o movimento armado no comando da Divisão Norte, por ele organizada.

Derrotou os revolucionários comandados por Gumercindo Saraiva na Batalha de Passo Fundo (1894), fato esse que lhe valeu a patente de general. Retornou ao senado, onde permaneceu até a sua morte.

Em 1897 foi acusado de ordenar - em um sórdido acordo com Francisco Glicério e outros políticos - o atentado contra o então presidente Prudente de Morais, na entrada do Arsenal de Marinha, em que morreu o general Carlos Machado Bittencourt. A acusação lhe custou alguns dias de prisão, mas diante da falta de provas, foi libertado.

Os partidos da República Velha eram constituídos em âmbito regional, como o Partido Republicano Paulista, o Partido Republicano Rio-grandense e outros. Pinheiro Machado, com a sua ampla visão política, adiantou-se no seu tempo ao fundar um partido político nacional, o Partido Republicano Conservador – PRC.

Em 1905 tornou-se vice-presidente do senado brasileiro, onde passou a controlar a Comissão de Verificação de Poderes, cuja função era a de definir quais candidatos eleitos pelo voto poderiam tomar posse. Com este imenso poder em mãos, eliminou no nascedouro diversos mandatos parlamentares (que foram outorgados pela população) que poderiam ter contribuído para o progresso da nação.

Pinheiro Machado atingiu a sua máxima influência quando Nilo Peçanha assumiu a presidência, após a morte de Afonso Pena, em 1909. Apoiou a candidatura do marechal Hermes da Fonseca à presidência da República em oposição a Rui Barbosa, apoiado pelos estados de São Paulo e Bahia. O resultado das eleições foi de 403.800 votos para Hermes contra 222.800 para Rui. Na época, o normal era que um candidato de oposição recebesse de 20 a 30 mil votos. No mandato de Hermes, o poder de Pinheiro Machado atingiu o seu ápice, onde teve papel predominante na política de salvação, movimento que visava apaziguar as disputas entre as oligarquias regionais. Uma piada publicada pela revista "O Gato", em 1913, resumia bem o poder de Pinheiro Machado. Segundo a piada, no dia em que deixava o Palácio do Catete (então sede da República), Hermes da Fonseca teria dito a Venceslau Brás, seu sucessor na presidência da república: "Olha Venceslau, o Pinheiro é tão bom amigo que chega a governar pela gente".

Pretendia se candidatar à sucessão presidencial em 1914, mas articulações de seus oponentes impediram seu intento. Voltou então aos bastidores, de onde pretendia continuar manipulando à distância os jogos parlamentares e a política dos estados. Tinha imenso prestígio no Rio Grande do Sul e na região Nordeste, mas já colecionava um imenso número de desafetos noutras regiões. Em janeiro de 1915, enfrentou o clamor das ruas da Capital Federal, quando foi recebido por vaias pelos partidários de Nilo Peçanha, cuja eleição para a presidência do estado do Rio de Janeiro quase fora impedida por vontade de Pinheiro Machado. Milhares de "nilistas" pediam por sua cabeça. Meses mais tarde, ao impor o nome de Hermes da Fonseca como Senador pelo Rio Grande do Sul, quase foi linchado por uma multidão feroz que o aguardava na porta do Senado. Foi nesta ocasião que Pinheiro Machado disse uma de suas mais célebres frases, ao ordenar ao cocheiro que o apanhara na porta do Palácio do Conde dos Arcos e que lhe perguntara como deveriam sair dali: "Nem tão devagar que pareça afronta, nem tão depressa que pareça medo!". Em 1915 foi assassinado.

Por que narrei essa história? Pelo fato que a vida política brasileira é cheia de personagens como Pinheiro Machado. Influentes, articuladores segundo os seus próprios interesses, mas que na sequencia da história são esquecidos.

Agora, se eu perguntar quem foi Rui Barbosa... No mínimo a maioria dirá que foi uma pessoa de boa influencia no Brasil.

Como bem disse o Senador Pedro Simon: “O Rui Barbosa é o nosso grande patrono no Senado, mas como político foi um homem de derrotas. Perdeu duas vezes a eleição para presidente da República e não tinha influência no governo. Quem mandava e elegia presidentes era o (José Gomes) Pinheiro Machado, de quem hoje ninguém fala. O Sarney está mais para Pinheiro Machado do que para Rui Barbosa. Vai acabar esquecido pela história.” Bem... poderíamos colocar inúmeros nomes que ainda estão vivos nessa frase do Senador Pedro Simon e que serão esquecidos pela história...

Na verdade, quando nossos dias nesse mundo acabar (e um dia certamente acabarão) o que ficará é a nossa história. E a pergunta é: como ela será contada? Pode se dizer: “a história é contada pelos vencedores. Pela ótica daquele tempo Rui Barbosa perdeu. Contudo, seu pensamento ecoa pelo tempo: “De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto.”

Se Rui Barbosa pudesse me ouvir (o que acredito que não pode), diria a ele: “quem vive de nulidades, de desonra e de injustiça, serão esquecidos. Sua honra, sua honestidade lhe garantiram um bom lugar na história”.

Essas pessoas que mudam de lado de acordo com as conveniências pessoais serão atropeladas pela história. No futuro a foto do Lula com o Maluf será a “cara do fisiologismo”. Apoiadores de ocasião, não trabalham para o bem coletivo, mas para o bem individual. A história não perdoará.

Pastoralmente (como teólogo, pastor, não posso deixar de dizer isso), essas mesmas verdades servem para o meio eclesiástico, especialmente para os que se utilizam de expedientes contrários aos princípios da Bíblia.

... os ímpios ... são como a moinha que o vento espalha.
Por isso os ímpios não subsistirão no juízo, nem os pecadores na congregação dos justos.
Porque o SENHOR conhece o caminho dos justos; porém o caminho dos ímpios perecerá.
Salmos 1.4-6


[1] http://pt.wikipedia.org/wiki/Jos%C3%A9_Gomes_Pinheiro_Machado

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

SOBRE AUTENTICIDADE




Penso que não foi fácil a decisão de Davi de recusar a armadura de Saul, justamente no dia em que ia lutar contra Golias. Deve-se entender que nesse momento ainda não havia a disputa e inveja que posteriormente corroeria Saul e o levaria a uma corrida doentia de “caça” a Davi. Davi, ao que tudo indica, amava e servia o Rei. O Rei Saul era esplêndido e poderoso, e, também ao que parece, admirava e amava a Davi e estava fazendo tudo o que podia para auxilia-lo, inclusive emprestando a própria armadura. No entanto, apesar de tudo isso, Davi retirou o capacete, dispensou a armadura e despiu-se dela. Essa não deve ter sido uma decisão fácil. Se livrar de todos aqueles recursos oferecidos.

Acontece que ter ido encontrar Golias vestindo a armadura de Saul teria sido um desastre. E é aqui que se encontra uma lição do Pr. Eugene Peterson: “Sempre acaba em desastre quando se abre mão da autenticidade. Davi necessitava do que era autentico para ele”.

Fico impressionado ao imaginar essa cena com o fato que Davi foi ousado o bastante para rejeitar a sugestão de fazer a sua obra sem autenticidade (ao não querer usar a armadura de Saul); e foi modesto e ousado o suficiente para usar somente o que adquirira habilidade para usar nesses anos como pastor de ovelhas (sua funda e algumas pedras). E ele matou o gigante.

Isso é um problema. Isso é um dilema. Há pessoas que não conseguem ter autenticidade. Usam uma voz que não é sua. Ao orar, imitam outros; ao pregar imitam outros; repetem frases de efeito e vivem de “chavões”. Não possuem padrões éticos fortes o suficiente para tomar decisões, com isso seus comportamentos são dúbios, ou como popularmente se diz: “dançam conforme a música”. Pode dar certo por um tempo, mas isso não é suficiente para derrotar Golias.

O outro lado dessa questão está no fato de a nossa volta estarmos cercados de pessoas que se importam conosco. De repente estão ali ajudando, reunindo um exército que nos auxiliará, vestindo-nos com excelentes equipamentos de guerra que nos qualificará para a tarefa. Pessoas que verdadeiramente estão preocupadas conosco e nós nos sentimos tocados por suas preocupações, impressionados por suas experiências, dons e talentos. Surge então o discernimento para saber o que é autêntico, quem sou eu. Qual a minha vocação? Qual é a minha armadura? Isso se chama equilíbrio, discernimento. Com todo esse equipamento, às vezes oferecido, percebe que mal consegue se mover. A autenticidade, e o equilíbrio às vezes nos fará dizer:  "muito obrigado, vou ficar com a minha funda e as minhas pedrinhas".

Para terminar: tornem-se cada vez mais fortes, vivendo unidos com o Senhor e recebendo a força do seu grande poder. Vistam-se com toda a armadura que Deus dá a vocês, para ficarem firmes contra as armadilhas do Diabo. Pois nós não estamos lutando contra seres humanos, mas contra as forças espirituais do mal que vivem nas alturas, isto é, os governos, as autoridades e os poderes que dominam completamente este mundo de escuridão. Por isso peguem agora a armadura que Deus lhes dá. Assim, quando chegar o dia de enfrentarem as forças do mal, vocês poderão resistir aos ataques do inimigo e, depois de lutarem até o fim, vocês continuarão firmes, sem recuar. (Ef 6.10-13)

terça-feira, 6 de novembro de 2012

A Mensagem Cristã: Jesus Cristo o Salvador



Viver a Missão, pregá-la com amor, com paixão é exercer o real evangelho de Cristo neste mundo, praticar o exemplo que encontramos em sua Palavra. Não se trata de tarefa fácil, mas é o grande desafio da Igreja Cristã contemporânea, pois em muitos casos a mensagem cristã é identificada (sobretudo em países orientais) com o colonialismo, por isso, nesse caso, deve-se romper com os laços do passado, onde a “fé” e a “missão” serviram de instrumento de subordinação e exploração. Viver a “Missio Dei” (missão de Deus) é viver/praticar a compaixão de Deus em meio ao mundo corrompido, explorado e enganado por suas “próprias paixões”. Durante muito tempo os colonizadores realizaram a expansão ultramarina sob a cruz de Cristo, onde a espada e a fé se fundiram.

Contudo, quando se olha com atenção para a história, e para as palavras de Jesus registradas por Mateus (28. 19-20) surge diante da Igreja um grande desafio: O de ir, de ensinar, esclarecer, para que ocorra a transformação em meio ao povo, gerar discípulos.

É preciso libertar o povo de uma religiosidade e espiritualidade profundamente sincrética, de uma fé que vê Jesus somente como um político que está preocupado com o social, assistencialista, assim como de uma fé intolerante e fanática, que escraviza milhares de pessoas. A Missão também possui o desafio de emancipar pessoas de uma fé que não é experimentada como desafio, que não opera transformação nos corações e mentes, produzindo esperança e regozijo; libertar o povo de uma espécie de repetição mística de tristeza, conformismo, e oferecer-lhes o Cristo Filho de Deus, diferente do então conhecido, um Jesus que transforma vidas, liberta da escravidão do pecado, e garante vida eterna. Pregar um Cristo diferente do que popularmente se difundiu em muitas mentes religiosas, que anunciou o Reino a todos, mas que, insiste na conversão pessoal, na transformação e salvação do indivíduo e de sua realidade.

Precisamos resgatar a teologia da graça da Reforma protestante, a qual aponta para os dilemas teológicos do pensamento a respeito dos méritos. Quando Lutero olhou para o texto de Romanos 3.21-31, assim como toda a carta aos Romanos, fez uma grande descoberta, percebeu que realmente não há nada de bom nele. Nem mesmo os seus esforços, por mais sinceros que sejam, poderiam mudar o seu estado de perdição. Ele depende única e exclusivamente da obra de Cristo na Cruz, que é completa.

A “loucura da Cruz” muitas vezes, é perdida de vista ou mascarada, inventa-se então um evangelho que é maleável, esquecemos da “loucura, do escândalo da Cruz”. E pregamos um Cristo adaptável aos nossos anseios e costumes. Redescobrir Jesus, crucificado e ressurreto se faz necessário para uma prática missionária relevante. Precisamos resgatar o sentido de “ser igreja” de Jesus neste mundo de contradições e ambiguidades no qual vivemos. Somente assim poderemos ter certeza de que estamos contribuindo de maneira real e eficaz para o crescimento do Reino de Deus neste mundo.

Enfim, testemunhar, ensinar, esclarecer é a missão nossa, missionários, pastores teólogos, de todos os conhecedores da Palavra e da história, pessoas que fazem parte da Igreja de Jesus Cristo, seus discípulos. Não existe fé cristã se não existir algo de que é preciso dar testemunho público e incondicional.
“Mas recebereis a virtude do Espírito Santo, que há de vir sobre vós; e ser-me-eis testemunhas tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria e até aos confins da terra.” At 1.8
Ângela Reiner Alves – professora de Grego e Hebraico e Coordenadora Pedagógica do CETAD-PB