sexta-feira, 24 de abril de 2009

AS MARCAS COM QUE SAÍ DA 39ª AGO DA CGADB


Sou um jovem obreiro da Vinha do Senhor, hoje com 32 anos, casado e pai de um menino lindo. Entrei no Seminário teológico aos 17 anos, conclui aos 20. Fui ordenado ao Ministério com 27 anos, e mesmo antes disso já desenvolvia diversas funções na estrutura da igreja. Sou neto de pastor (tanto por parte de mãe quanto de pai), meu pai era presbítero da igreja (dirigiu várias igrejas), sobrinho de pastor, irmão de pastor... Enfim, sou a terceira geração dentro da igreja. O Senhor me deu o privilégio de ter uma formação Teológica sólida e em escolas de excelente qualidade. Meus diplomas não são comprados pela internet. Escrevi seis livros, publiquei artigos (inclusive no Mensageiro da Paz). Tenho o privilégio de servir ao Senhor em uma excelente igreja com um excelente Pastor presidente e lá desenvolver a vocação que o Senhor me concedeu. Estou escrevendo estas informações pessoais para dizer que, embora jovem, possuo raízes profundas. Talvez quando os meus cabelos embranquecerem, eu olhe para trás e leia este artigo e então perceba que na juventude deveria ter sido mais ponderado em minhas palavras... Mas o fato é que neste momento em que escrevo estas palavras, sentado na cadeira apertada deste avião, percebo que não é somente os espaços diminutos das cadeiras que incomodam as minhas pernas, mas o aperto que sinto no meu coração é mais apertado e incômodo do que estas cadeiras.

Estou voltando da 39ª AGO da CGADB no estado do Espírito Santo. Volto desta AGO com marcas profundas. Sinceramente, não sei se em minhas orações peço a Deus para que apague estas marcas ou para que as deixe para que eu nunca mais me esqueça do que aconteceu, dos sentimentos que tive sentado naquele auditório. Não seria elegante de minha parte relatar algumas das palavras ditas (bem feias, diga-se de passagem) e nem algumas cenas deploráveis que presenciei.

Talvez alguém diga: “ele ficou assim porque o vencedor do pleito não foi o que ele votou”. Tenha certeza, esse não é o problema.

As marcas com que saí desta AGO me dizem que está banalizado o Ministério Pastoral. Todos nós somos pecadores e estamos sujeitos ao erro. Não foram poucos os erros apresentados naquela plenária, sobre tudo em relação a balanços financeiros “maquiados”, informações falsas, e que ficou comprovado. Mesmo assim não houve nem um pedido de desculpas, perdão. Nem uma palavra como: “por favor, em nome de Jesus me perdoem, foi um erro acidental, não uma prática comum”. Nada disso. Pelo contrário. Fomos brindados com uma “pérola”: “isso é prática comum nas convenções e presidência de ministérios”! Só se na convenção ou ministério de quem disse isso!! Na igreja em que trabalho não!!! Na Mesa, nem uma palavra sobre isso. Assistiam a tudo imóveis (pelo menos essa era a impressão que se tinha do plenário); nem um pedido de perdão, desculpas... Talvez para eles pastor pedir perdão não seja ético. No final, 80% da chapa foi eleita. Sem desculpas, sem maiores explicações... mas a culpa não é deles... talvez estejam certos... talvez realmente seja prática comum... a maioria aprovou a continuidade... e uma continuidade a mais de 20 anos... é... talvez realmente seja prática comum. Tão comum que a maioria nem se espanta quando nem uma retratação pública é feita.

As marcas que saí desta AGO também foram feitas por “cabos eleitorais”. Me perdoem a franqueza, pareciam mais “Pit buls” enfurecidos a berrar nos microfones: “prevaricou, prevaricou, prevaricou!!!” A impressão que tenho é que nunca vou esquecer o olhar, o rosto de um deles vociferando no microfone e em direção a câmera que transmitia as imagens para o telão. Nesse momento alguns de nós se sentiram como “ovelhas no meio de lobos”. Ainda fecho os olhos e vejo aquela face raivosa vindo em minha direção.

As marcas que saí desta AGO me confirmam que o poder corrompe, e que as pessoas se apegam a ele. Também me diz que Jesus não criou a igreja para ser uma instituição tão poderosa que amizades de anos se percam nesta disputa. Alguns tem a ousadia de dizer que no plenário vale tudo, os nervos se exaltam... Mas do lado de fora não... é... Talvez seja verdade, talvez Jesus só esteja mesmo do lado de fora...

As marcas que saí desta AGO me fez lembrar das palavras de Jesus: “o que adianta ganhar o mundo intero e perder a sua alma”? Estas marcas me fazem lembrar que perder a alma não é só ir para o inferno. Você perde a alma quando perde a sua família, seus amigos. Você perde a alma quando se vende para a instituição, para a politicagem, para a disputa sem escrúpulos, quando se vende para o poder. Quando isso acontece, os sentimentos se entorpecem, a mente cauteriza... Ganha-se o mundo... Perde-se a alma, perde-se o libertador da vida.

As marcas desta AGO me fizeram lembrar de um texto do livro “Sete Hábitos das Pessoas Muito Eficazes”, escrito por Stephen R. Covey: “Quando olho para as tumbas dos grandes homens, qualquer resquício de sentimento de inveja morre dentro de mim; quando leio os epitáfios dos magníficos, todos os desejos desordenados desaparecem; quando me deparo com o sofrimento dos pais em um túmulo, meu coração se desmancha de compaixão; quando vejo a tumba dos próprios pais, lembro-me de como é vão chorarmos por aqueles que logo seguiremos; quando vejo reis colocados ao lado daqueles que os depuseram, quando medito sobre os espíritos antagônicos enterrados lado a lado, ou os homens sagrados que dividiram o mundo com suas discussões e contendas, medito cheio de dor e surpresa, sobre a pequenez das disputas, facções e debates da humanidade. Quando leio as variadas datas dos túmulos, algumas recentes, outras de seiscentos anos atrás, penso no grande Dia, no qual seremos todos contemporâneos, e faremos nossa aparição conjunta”.

As marcas desta AGO me dizem que a sedução do aplauso é vã. As disputas e invejas nos igualam aos homens maus. Para os que entram na corrida por posição e triunfo, não há vencedores, é uma corrida perversa que no fim esmagará a nossa alma. O Reino de Deus é diferente, o maior é o menor; a matemática de Deus é diferente, Ele deixa noventa e nove ovelhas para buscar uma; revira toda uma casa arrumada para encontrar uma simples drácma perdida. Os valores do Reino são superiores, não podemos trocá-los pela moda do dia ou por um poder temporal. Somos chamados a sermos ovelhas.

Houve um homem na história, filho de um bom pai, educado nos princípios religiosos que seus pais haviam recebido de Deus, mas que não conseguiu compreender os princípios do Reino de Deus. A história não o perdoou. Esse homem é Esaú. A história acusa Esaú de trocar a benção futura por um prazer imediato (Hb 12.16), dando a ele um adjetivo: profano.

Não sei se vale a pena orar a Deus para que apague estas marcas. Não quero ser lembrado como PROFANO. Quero tentar entender o Reino de Deus. Quero aprender a me arrepender das minhas mazelas. Quero aprender a pedir perdão. Não quero perder a minha alma.

Eduardo Leandro Alves
24 de abril de 2009

19 comentários:

  1. Pois é... Louvo a Deus porque ainda há pessoas que a mente não cauterizou e os sentimentos não morreram. Ainda há 7.000 que não se dobraram a baal.

    ResponderExcluir
  2. Caro Pr Eduardo,

    Prazer em conhecer o seu blog.
    Como comentei noutro blog, legitimou-se a presidência da CGADB como pontificado, idêntico ao do Vaticano, necessário para a pretensa normatização da denominação. A crescente bagunça no meio assembleiano confirma a falácia dessa insistente vontade de hierarquização católica na AD.
    Depois de tudo, resta-nos crer que o dispêndio de milhões de reais para ganhar a eleição da Mesa Diretora se dá, sobretudo, pela ambição por um cargo que habilita o trânsito nas esferas da política eclesiástica e do poder governamental do país e tambem para exercer domínio sobre a menina dos olhos asssembleianos, a CPAD.
    Por mais que me esforce, não consigo ver que o Deus, que se fez plenamente conhecido através de Jesus, tenha algum interesse nesse pontificado que nada tem a ver com o seu Reino e que, a semelhança do da ICAR, não coaduna com o caráter dEle.

    A atitude mais dígna da história da nossa AD, teve a Igreja Filadélfia de Estocolmo, na Suécia, quando, ainda nos anos trinta, ao perceber a sanha dos obreiros brasileiros, em vitude do fenomenal crescimento da denominação, saindo fora e entregando a direção aos pastores tupiniquins. Acertou a missão sueca, mas a inapetência dos líderes autoctones fez com que hoje tenhamos que fazer esforço (quase impossível)para crer que Deus ainda se faz presente nisso tudo.

    A única crença que tenho é que na atual conjuntura a eleição para presidência da CGADB serve apenas para inflar os egos dos postulantes, que montam o milionário teatro para entreter e iludir a maioria dos convencionais.

    Um abraço
    Paulo Silvano

    ResponderExcluir
  3. A PAZ DO SENHOR AMADO DE JESUS!
    O SER HUMANO COMO UM TODO ESQUECE QUE NO FINDAR DE TUDO ESTAREMOS NO TRIBUNAL PERANTE O JUSTO JUÍZ E TEREMOS QUE RESPONDER POR NOSSOS ATOS,CONTUDO NÃO TERÁ DIPLOMACIA, RODEIOS ,ARGUMENTOS OU DESCULPAS SEM NEXO, SERÁ SIM,SIM, NÃO , NÃO.SENDO ASSIM QUAL O VEREDICTO FINAL?O GOSTO DO PODER É PERIGOSO,MELHOR SERIA NÃO TÊ-LO EXPERIMENTADO.
    A PAZ DO SENHOR!
    CLÁUDIA VALÉRIA

    ResponderExcluir
  4. É verdade senhores... O poder vicia... Precisamos clamar por misericórda ao Todo poderoso.
    Pr. Paulo, seja sempre bem vindo...

    ResponderExcluir
  5. Caro pastor Eduardo,

    Acabo de ler o seu ensaio, postado na forma de comentário no meu blog. Por tratar-se de uma reflexão bem elaborada e prudente, solicito a sua permissão para publicá-la em meu blog, o Púlpito Cristão (www.pulpitocristao.com), obviamente que com os devidos créditos e com um link direcionando ao seu blog.

    Quanto às eleições da CGADB, não votei por estar no campo missionário, mas dificilmente votaria caso estivesse aí... Nossa convenção perdeu o rumo, e os temas discutidos estão muito longe da minha realidade missionária. Prefiro observar de longe e orar a Deus para que ele, em sua infinita e multiforme graça, use todo esse mal para bem dos que lhe amam, e são chamados pelo decreto divino.

    Abraço fraterno, e que Deus lhe abençoe.

    Leonardo G. Silva
    Editor do Púlpito Cristão

    ResponderExcluir
  6. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  7. Quer conhecer uma pessoa ? dê poder a ela!
    Na grande maioria das igrejas evangélicas, é assim: O auditório “inocente”, púlpitos sagazes e bastidores diabólicos.

    ResponderExcluir
  8. Infelismente a igreja hodierna, mas precisamente seus líderes, tem como caractrística a avidez pelo poder = dinheiro.Eles vivem numa constante busca p/ ser destaque em qualquer esfera, hoje um Pastor p/ ser "o cara", precisa ser antes de tudo um animador de auditório, especialista em marcketing, com uma agenda cheia, e pouco ou nenhum tempo voltado p/ orações e contritamento c/ Deus, deixando seu rebanho disperso e esquecido, ou melhor parte dele, pq o que presencio é que as atenções são dadas p/ aqueles membros mais abastados de numerários, pois eles sim dão o que lhe apraz. Eles costuma seguir os mesmos padrões do mundo secular, existe hoje uma real mudança da visão bíblica, onde Paulo adverte que um líder cristão deve ser valorizado pela dedicação as ovelhas, vida de oração e ética, unção do Espírito Santo p/ transmitir a Palavra de Deus. Não devemos esquecer que nós a Igreja aguardamos avidamente pela redenção, o advento de Cristo e devemos portanto nos voltarmos p/ as Escrituras Sagradas, reverenciando-a, executando a doutrina genúína estabelecida por Deus e tão bem ensinada pelo apóstolo Paulo. Quanto a esse particular das últimas Convenções quero notorizar que aqui em São Paulo tem se dizimado isso entre as Igrejas, eu mesmo sou membro da Ass. de Deus (min. do Belém) e estou horrorizada com esses acontecimentos, temos acompanhado td isto e um pouco mais....è uma vergonha sem precedentes na história desta tão conceituada igreja.
    Obs. Obrigada por nos poupar de detalhes..., mas devo dizer que já sabemos , aliás vemos isso nos isso nos pleitos na vida política do nosso país todos os dias nos nosos tele-jornais.Marta - São Paulo.

    ResponderExcluir
  9. Eu quero PODER AMAR e não AMAR o PODER.
    Infelizmente, sem o capitão na nau (coração), o naufrágio (pecado) é certo.

    ResponderExcluir
  10. Amado Leonardo, fique a vontade de publicar esta reflexão. Grand abraço.

    ResponderExcluir
  11. Amados obrigado pelos comentários (pelo menos pelos feitos até do dia 30/4). Embora eu esteja "marcado" isso não quer dizer desiludido.; cansado, mas não desanimado. Continuo amando a Deus e acreditando da Igreja, o Senhor é o dono dela. AS mazelas, Deus mesmo tirará. Nós como membros, devemos amar a igreja, mas não nos conformarmos com as práticas de alguns, que mesmo sendo errados têm o direito de serem perdoados e restaurados.
    Abraço a todos.
    Eduardo

    ResponderExcluir
  12. Infelizmente a Ass. de Deus não é mais a mesma... seus ideais antigos, "Curar, salvar e batizar no Espírito Santo" já não fazem mais parte da denominação... Fiquei feliz por sua postagem, Eduardo. Vejo que ainda existem pessoas que pensam na Ass. de Deus!!

    Abraço

    Thiago Alves
    www.myspace.com/thiagobassalves

    ResponderExcluir
  13. Obrigada por sua descricao da Convencao, embora assustador, fiquei impressionada com sua riqueza de detalhes e transparencia. Ja' tinha presenciado coisa parecida o ano passado em Sao Paulo, uma verdadeira corrupcao!! O que nos conforta e' saber que Deus pode perdoa-los se, realmente se arrependerem...Vamos continuar nossa tarefa para a qual fomos chamados e esperar que nossos lideres sejam sacudidos e acordem para viverem o que a Biblia nos ensina. Um candidato a presidencia deve ser dirigido por Deus e nao por homens. Se nossos lideres estivessem sensiveis ao Espirito Santo nao precisariamos presenciar essa vergonha, essa corrupcao toda. E' facil ler e ensinar a Palavra mas vive-la... Deus abencoe sua vida e ministerio, fique na paz!!

    ResponderExcluir
  14. 1 Timóteo 6
    1 Todos os servos que estão debaixo de jugo considerem dignos de toda honra o próprio senhor, para que o nome de Deus e a doutrina não sejam blasfemados.
    2 Também os que têm senhor fiel não o tratem com desrespeito, porque é irmão; pelo contrário, trabalhem ainda mais, pois ele, que partilha do seu bom serviço, é crente e amado. Ensina e recomenda estas coisas.
    3 Se alguém ensina outra doutrina e não concorda com as sãs palavras de nosso Senhor Jesus Cristo e com o ensino segundo a piedade,
    4 é enfatuado, nada entende, mas tem mania por questões e contendas de palavras, de que nascem inveja, provocação, difamações, suspeitas malignas,
    5 altercações sem fim, por homens cuja mente é pervertida e privados da verdade, supondo que a piedade é fonte de lucro.
    6 De fato, grande fonte de lucro é a piedade com o contentamento.
    7 Porque nada temos trazido para o mundo, nem coisa alguma podemos levar dele.
    8 Tendo sustento e com que nos vestir, estejamos contentes.
    9 Ora, os que querem ficar ricos caem em tentação, e cilada, e em muitas concupiscências insensatas e perniciosas, as quais afogam os homens na ruína e perdição.
    10 Porque o amor do dinheiro é raiz de todos os males; e alguns, nessa cobiça, se desviaram da fé e a si mesmos se atormentaram com muitas dores.
    11 Tu, porém, ó homem de Deus, foge destas coisas; antes, segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a constância, a mansidão.
    12 Combate o bom combate da fé. Toma posse da vida eterna, para a qual também foste chamado e de que fizeste a boa confissão perante muitas testemunhas.
    13 Exorto-te, perante Deus, que preserva a vida de todas as coisas, e perante Cristo Jesus, que, diante de Pôncio Pilatos, fez a boa confissão,
    14 que guardes o mandato imaculado, irrepreensível, até à manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo;
    15 a qual, em suas épocas determinadas, há de ser revelada pelo bendito e único Soberano, o Rei dos reis e Senhor dos senhores;
    16 o único que possui imortalidade, que habita em luz inacessível, a quem homem algum jamais viu, nem é capaz de ver. A ele honra e poder eterno. Amém!
    17 Exorta aos ricos do presente século que não sejam orgulhosos, nem depositem a sua esperança na instabilidade da riqueza, mas em Deus, que tudo nos proporciona ricamente para nosso aprazimento;
    18 que pratiquem o bem, sejam ricos de boas obras, generosos em dar e prontos a repartir;
    19 que acumulem para si mesmos tesouros, sólido fundamento para o futuro, a fim de se apoderarem da verdadeira vida.
    20 E tu, ó Timóteo, guarda o que te foi confiado, evitando os falatórios inúteis e profanos e as contradições do saber, como falsamente lhe chamam,
    21 pois alguns, professando-o, se desviaram da fé. A graça seja convosco.

    ResponderExcluir
  15. Pastor Eduardo,

    Sou o Irmão João Cruzué, do Blog Olhar Cristão, e adm da União de Blogueiros Evangélicos. Passei para comunicar que vou postar seu texto, com os devidos créditos.

    Um mês depois do evento, chegou a hora de "remoer" os fatos acontecidos. O que escreveu, não é nem um décimo do que de fato houve, mas é o texto mais honesto que vi.

    A paz do Senhor Jesus Cristo.


    .

    ResponderExcluir
  16. caro pastor tomei a liberdade de publicar em meu Blog este poste. http://auncaofazadiferenca.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  17. Caro pastor Eduardo, sinto o mesmo em relação aos acontecimentos dessa AGO. Muitas pessoas prestarão conta a Deus dos seus atos e se enquadarão em Gálatas 6.7. Graças a Deus a igreja segue caminhado, existirão sempre aqueles que não se prostraram diante de baal.

    ResponderExcluir
  18. Pr, Eduardo.
    Hoje me enche de orgulho por saber que ha remanencentes, esses como o senhor, que não se calam e não se curvam a tais coisas..
    Hoje tenho orgulho porque a pouco tempo atras tinha vergonha, e ja estava me desacreditando.
    É bom saber que ha remanencentes...

    ResponderExcluir